Instagram @linsrachel

@linsrachel

22 de outubro de 2017

Uma Nova Vida - Capítulo 7

outubro 22, 2017 0 Comments

Eles se beijaram, abraçaram fortemente e Malu abriu o portão. Erick assoviou e Malu olhou para ele. Ele fez um coração com as mãos e Malu retribuiu com outro coração. O menino não queria ir embora, mas acabou indo, pois o pai de Malu apareceu na janela e a menina entrou em casa.

Este último ano passara muito rápido. O namoro de Malu e Erick ia muito bem. Leandro se tornara o melhor amigo de Erick e sempre que ele precisava de ajuda em alguma coisa, era Leandro que estava lá para estender suas mãos.
Clara continuava arrogante, mas seus três amigos aprenderam a conviver com isso. Ela fazia questão de ficar ao lado de Erick nos passeios e encontros da turma, e prestava atenção em tudo o que ele e Malu faziam. É claro que ela morria de ciúmes dos dois, que viviam abraçados, trocando carícias e beijos apaixonados.
E nos finais de semana os quatro sempre inventavam um programa para fazer. Eles desconheciam a palavra “tédio”. Ir ao shopping fazer compras; ver um filme no cinema; nadar na piscina de Erick e na de Malu, ir à exposições de arte, já que Erick amava desenhos e pinturas; sair para correr ou andar de bicicleta nos parques do bairro.
Certo dia, os quatro faziam um piquenique em um parque, quando surgiu o assunto “profissão”. Leandro comentou:
- Que vontade que eu tenho de trabalhar logo! Ainda bem que já vamos fazer dezesseis anos e ano que vem terminamos os estudos na escola. E, começando a facul, vamos estudar apenas o que gostamos, e não o que somos obrigados, como acontece na escola – e riu.
- É verdade, eu decidi fazer jornalismo, acho que combina comigo – disse Malu – E vocês, já sabem o que querem?
Clara ficou pensativa e respondeu:
- Não sei ainda, não tenho pressa para escolher isso. É melhor demorar mais para pensar e escolher a coisa certa, do que começar logo de cara uma profissão que você não tem certeza.
- Eu já sei o que quero desde os dez anos, quando meu pai criticou a minha escolha – disse Erick.
- E você não esqueceu isso ainda?
- Não, só vou esquecer quando eu provar para o meu pai que é isso que me faz feliz.
- Eu não acho que você precisa provar para o seu pai isso. Uma hora ele percebe que você estava certo e acaba aceitando – disse Clara.
Leandro sorriu e concordou. Clara continuou:
- Então, você é uma das poucas pessoas que já nasceram sabendo o que quer da vida. É uma das qualidades que admiro em você.
Malu interrompeu:
- É por isso que, quando você coloca uma ideia na cabeça, ninguém tira. Ninguém consegue fazer você esquecer, porque você sabe que pode e que vai conseguir.
Leandro sorriu de novo. Era apaixonado pelo sorriso de Malu e sempre que ela abria a boca para falar, ele a admirava. Não conseguia desviar o olhar da menina, quando a via sorrindo. Erick perguntou:
- E você, Lê? Não pensou em nada ainda?
- Ah, pensei sim. Eu quero ter um escritório ou um estúdio de Marketing Digital, cheio de computadores e instrumentos tecnológicos. Essa era tecnológica me encanta. Não é possível que vocês ainda não perceberam isso!
- Eu percebi! Você não larga seu tablet... – respondeu Malu.
Todos riram.
- Pois é, meu sonho é participar daquelas conferências internacionais sobre tecnologia, viajar para lugares bem mais avançados que o nosso, tecnologicamente falando.
E assim, o papo deles sobre profissão durou o dia inteiro.
Os quatro fariam aniversário em datas muito próximas; então eles combinaram de ir ao cinema, no próximo fim de semana. Malu disse que na lanchonete ao lado do cinema tinha uma torta deliciosa de chocolate, com calda de morango, e que ela encomendaria uma daquela para comemorarem. Todos gostaram de ideia, menos Clara que, como sempre, teve que reclamar de alguma coisa:
- Nós vamos comemorar numa lanchonete? Ai, que coisa mais pobre!
- E o que você sugere? – perguntou Malu.
- Sei lá, preferia uma festa, mas numa lanchonete com várias pessoas estranhas olhando... é meio constrangedor, não acham? Só se, pelo menos, não for pra soprar velas.
Todos concordaram em não ter velas e nem cantar “Parabéns”. Pelo menos assim Clara não ficaria emburrada, como sempre fica quando contraria a ideia dos amigos.



Sábado chegou. Erick levou Malu ao cinema de táxi. Clara foi com seu motorista e Leandro, com seu pai. Enquanto estava no táxi, Malu comentou:
 - Não vejo a hora de ter meu próprio carro. Assim a gente não precisa ficar pegando táxi e nem ônibus. É mais liberdade para nós dois também.
- Eu vou pegar carona com você todos os dias – riu Erick  – Eu não vejo a hora de fazer dezoito anos e poder ir na balada com você. Meus pais não estão nem aí pra mim, vou poder fazer o que eu quiser!
- Não, peraí, amor! Também não exagera. A sua mãe se preocupa com você.
- Tá, mas ela nunca vem me ver. Telefonar não é a mesma coisa. Ela nem precisa saber que vou sair para me divertir.
- Talvez seja o seu pai que não deixa ela te visitar sempre, afinal não foi você mesmo quem disse que ela é um chato conservador? – riu Malu.
-Sim, e machista. Eu nunca trataria minha esposa como ele trata a minha mãe. Acha que manda nela, e eu não posso fazer nada. Eu sei que ela não é feliz assim!
Leandro foi o primeiro a chegar ao cinema. Foi logo comprando os ingressos e a sua pipoca e entrando na fila. Clara chegou logo depois e também comprou pipoca e mais algumas balinhas.
Malu e Erick correram para a fila. Leandro os chamou:
- Oi gente! Já to aqui na frente guardando lugar pra vocês! Já comprei nossos ingressos. Se quiser pipoca tem que comprar, é só isso que tá faltando pra vcs!
Eles assistiram ao filme e, depois, como combinaram, foram para a lanchonete. A torta estava lá, esperando por eles, no mostruário. Malu foi até o balcão buscá-la, já que era ela quem havia feito a encomenda. Leandro, como sempre, não parou de olhar para ela e, disfarçadamente, admirou-a, pensando:
"Maluzinha do meu coração, por que o Erick chegou primeiro para te conquistar, hein?"
Erick se levantou e foi ajudar a namorada. Enquanto ele levava a torta para a mesa, Malu pediu o refrigerante e os copos.
Na mesa, os quatro conversavam:
- Que torta mais que perfeita! É, sem dúvida, a mais gostosa que eu já comi! – disse Erick.
- Mais gostosa que aquelas delícias que a sua avó faz?
- Bem, talvez. Sei lá, tem algo a mais que eu não consegui identificar.
Clara, metida a saber mais que todos, intrometeu:
- São amêndoas com um leve toque de licor de cacau.
- Como sabe?
- Lá em casa tem um licor desses e eu tomo um gole de vez em quando. E as amêndoas, bem... quem não come amêndoas nas panquecas, no café da manhã?
- Eu – os três responderam.
Malu riu e acrescentou:
- Eu nem como panquecas no café da manhã, muito menos com amêndoas!
- Ah, gente, por favor, né! Não tem nada melhor do que acordar e sentir o cheirinho do caramelo sobre as panquecas... Humm! Minha empregada faz do jeito que eu gosto e...
- Tá bom, Clara, nós já entendemos. Agora vamos aproveitar a nossa torta de aniversário, que está boa demais! – interrompeu Erick.
Já estava anoitecendo. Erick e Malu se despediram de Leandro e Clara e pegaram um táxi. Antes que eles fossem pra casa, Erick levou Malu até a árvore.
- O que houve, amor?
- Estamos completando também um ano de namoro e eu queria ficar um pouco sozinho com você. Tenho um desenho para te dar.
Erick pegou no bolso um desenho e entregou à namorada. Era um coração, todo decorado e dentro dele estava escrito: “Você foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida!”
- Que lindo, Erick! Eu amei!
- Eu amo você, minha linda! Sempre vou amar, não importa o que aconteça.

Eles se abraçaram. Erick levou Malu até o portão de casa e a beijou. O pai de Malu ouviu o barulho do portão e olhou na janela. Ele viu os dois abraçados. 

18 de outubro de 2017

Wallpapers: Halloween 🎃 👻

outubro 18, 2017 0 Comments

O Halloween está chegando! E para quem gosta de, além de comemorar, decorar tudo, inclusive a tela do computador, eu trouxe alguns wallpapers na resolução 1440 x 900 (que é a do meu PC). Se quiser modificar a resolução, você pode usar um editor de imagens. Para isso, eu uso o "Microsoft Office Picture Manager" que já vem com o Pacote Office. Talvez você tenha ele instalado no seu computador. Mas existem outros programas de edição de imagem, como o Photoscape, que redimensionam imagens também. Espero que goste, separei uns bem bonitinhos (e assustadores!) para você baixar (clique na imagem para ampliá-la e salve-a no seu computador com o botão direito do mouse)! 🎃 👻

15 de outubro de 2017

Uma Nova Vida - Capítulo 6

outubro 15, 2017 0 Comments

- Ah, Clara, não se preocupe. Nós íamos apresentar vocês na escola, mas como você sumiu, eu e a Malu comentamos com o Lê que você talvez viesse na minha casa hoje. Então ele ficou doido pra vir te conhecer. Nós elogiamos você!

- Ah, elogiaram? Que bom! Então tudo bem – Clara sorriu e Leandro finalmente pôde ver seu sorriso.

Erick, que não ia muito com a cara de Clara, agora começara a simpatizar com ela. Antes ele apenas suportava a menina, por respeito à amizade entre ela e Malu; talvez agora ele a via como uma amiga dele também.  Depois do jantar, Erick foi até a cozinha ajudar sua avó a organizar tudo para cantar “Parabéns”. Leandro foi com seu amigo, deixando Clara e Malu sozinhas na sala de jantar. Malu não conseguiu ficar calada:
- Olha, Clara, eu sei que você deve estar me odiando, porque mesmo sabendo que você gosta do Erick eu aceitei ser namorada dele e...
- E quem disse que eu gosto dele?
- Só sendo cega para não perceber o seu jeito de olhar para ele. Olhar apaixonado...
- Eu não gosto dele. Para de inventar, garota!
- E você também não quer minha amizade mais por causa disso. Eu te entendo, no seu lugar também ficaria chateada, me desculpe, mas... o Erick me ama e você vai ter que entender.
- Cala a boca, Malu! Eu não te perguntei nada! Já disse que não gosto dele e para de falar disso.
- Então por que você chorou quando nos viu beijando na minha festa de aniversário? – gritou Malu, irritada.
Erick ouviu Malu gritando e correu até a mesa para ver o que havia acontecido.
- Vocês estão brigando?
- Essa louca que começou a gritar. Gente sem classe é assim mesmo!
Leandro olhou para Malu, que estava com os olhos cheios de lágrimas. Naquele momento ele queria xingar Clara e consolar Malu, mas não quis se meter na confusão. Erick disse:
- Gente, se for pra brigar eu vou cancelar o “Parabéns”.
- Não, desculpe, meu amor. É tudo culpa minha! Eu não deveria ter dito nada. Vamos esquecer, não quero estragar a sua festa.
Erick estava furioso com isso, mas deixou pra lá e prosseguiu com a festa. Depois que Erick soprou as velas, os quatro comeram o bolo. Malu levou um pedaço do bolo para a avó de Erick, pois seu avô já havia ido dormir.
Clara aumentou o som e começou a dançar. Malu e Erick dançaram juntos e Leandro dançou sozinho, num canto, pois não queria ficar com Clara. Ele pensou:
- Essa menina arrogante pensa que pode humilhar os outros. Ela se acha superior só porque é rica. Eu também fui criado como a Malu, em um lugar mais humilde e sem frescuras, mas ela não pode nos desrespeitar por isso.
No final da festa, Erick levou Leandro e Clara no portão e agradeceu a presença deles. Malu estava na sala conversando com a avó de Erick, que também se despediu dela e foi dormir. Erick sentou-se ao lado da namorada e perguntou:
- Você quer conversar agora?
- É melhor eu ir também, já está tarde e meus pais devem estar me esperando. Mas você tá chateado comigo ainda?
- Não, eu só queria entender o que foi aquela briga entre vocês duas. Mas depois falamos sobre isso. Vou atravessar com você, vamos!
Erick pegou na mão de Malu e a levou até o portão de casa. Eles se beijaram.
Os pais de Malu estavam esperando por ela, na sala. Seu pai reclamou:
- Isso são horas de chegar?
- Eu estava do outro lado da rua, pai. Nem é pra tanto!
- Olha como fala comigo, menina. Vai já pro seu quarto e vê se dorme logo, amanhã você tem aula, esqueceu?
Malu foi para o quarto. Sua mãe quis conversar:
- Oi filha, eu sei que você precisa descansar, mas eu to te achando um pouco triste. Foi o jeito que seu pai falou com você?
- Não, isso eu já to acostumada. Foi a Clara. Nós discutimos e o Erick se chateou. Quase estragamos a festa dele. Eu me sinto mal por isso.
- E por que discutiram? Ela ficou jogando charme pra cima dele?
- Não, eu só fui me desculpar com ela, dizendo que o Erick me ama e ela precisa entender e... ela negou que gosta dele.
- Entendi. Isso se chama ciúme, filha. Uma hora ela amadurece e para com isso, quando perceber que o Erick não quer nada com ela. E amanhã você e o Erick conversam melhor também.





No dia seguinte, na escola, Erick estava cabisbaixo. Leandro foi falar com o amigo:
- Levanta essa cabeça, cara! Não foi esse Erick que eu conheci há alguns anos.
- Eu sei, mas essas meninas me tiram do sério brigando por minha causa. Já vi que esse namoro vai me dar dor de cabeça.
- E o que você tá pensando em fazer? Vai terminar tudo com a Malu?
- Não, de jeito nenhum! Eu amo a Malu, só não quero que fique esse clima chato entre mim e ela, quando a Clara vier falar comigo.
- A Clara é sua amiga, né!
- Na verdade ela era mais amiga da Malu do que minha, mas como elas estão brigadas, a Clara está se aproximando mais de mim. E eu sei da história dela, entendo porque ela é assim; não posso simplesmente ignorá-la, eu seria muito duro com ela, fazendo isso.
Erick contou sobre Clara para Leandro. Eles pensaram juntos o que poderia ser feito para que as meninas fizessem as pazes, mas não encontraram nenhuma solução.
No recreio, Malu ficou na biblioteca estudando. Clara aproveitou que Erick estava sozinho e foi falar com ele:
- Oi Erick, por que está sozinho? Cadê sua namoradinha?
- Ela tá estudando. Mas eu não estou sozinho, o Lê vem vindo, só foi na cantina.
Clara sorriu e sentou-se ao lado de Erick.
- Vou te fazer companhia enquanto ele não vem.
- Olha, Clara, eu não queria estragar a amizade entre você e a Malu. Por que não voltam a se falar?
- Por que a Malu não é como nós. Ela veio de um lugar pobre. Só ficou rica por causa do avô falecido, mas no fundo é uma sem classe. Como vou ser amiga de alguém assim?
- É avó falecida! E não fala assim da Malu, por favor. Por mais que ela tenha crescido em um ambiente diferente do nosso e sem muitos privilégios, ela é uma boa menina, tem um bom coração e pra mim é isso o que importa. E tem mais, se você quiser ser do nosso grupo vai ter que aceitar meu namoro com a Malu, porque eu a amo.
- Até parece! Erick, olha pra minha cara. Esse negócio de primeiro amor é tudo bobagem, não dura para sempre. Namorico bobo! E você acha que eu vou mudar meu jeito de pensar por sua causa?
- Nós éramos amigos há muito tempo, tempo suficiente para eu conhecer bem a Malu e saber que ela é o amor da minha vida. Se você não aceita, então fique longe de nós.
- Tudo bem, eu fico longe, então!
Clara virou-se para o outro lado e começou a comer seu lanche.
Erick ficou irritado e abriu um livro. Enquanto ele lia, Clara o observava, disfarçadamente.
Leandro viu que os dois estavam juntos e foi até a biblioteca conversar com Malu.
- Oi Malu, como ficou entre você e a Clara?
- Sei não, não queria estar brigada com ela. Eu entendo o jeito implicante dela, mas se ela não aceita que o Erick fique comigo, eu não tenho o que fazer.
- É, uma hora ela cai na real – respondeu Leandro, sorrido para Malu.
Ela retribuiu o sorriso e continuou:
- O aniversário dela é daqui a duas semanas e eu pensei em fazer uma festinha surpresa, o que você acha?
- Se você quiser, eu te ajudo, acho uma boa ideia. Vamos falar com o Erick também. Só espero que a Clara não estrague tudo...
Durante a semana seguinte, os três planejaram e organizaram uma festinha na casa de Erick. Apesar de tudo, Malu ainda considerava a amiga. Erick não queria que a festa acontecesse em sua casa, mas era o único jeito de convencer a menina a participar. O namoro de Erick e Malu ia muito bem. Eles se encontravam todos os dias embaixo da árvore, estavam muito apaixonados. Por isso, não havia nada que Erick não fazia pela menina, só para vê-la feliz. Se ela queria fazer uma festinha para Clara e não havia lugar pra isso, pois que fosse em sua casa.





O dia da festa chegou. Erick marcou com Clara de se encontrarem em sua casa. Ele inventou que precisava da ajuda da menina para estudar uma matéria na qual ele sabia que ela era ótima e, é claro, ela concordou. Rapidinho ela se arrumou e foi se encontrar com ele.
Assim que pisou na casa de Erick, Leandro e Malu apareceram:
- Surpresa!
Clara levou um susto e ficou sem saber o que dizer. Erick perguntou:
- E então? Gostou? A Malu teve a ideia dessa festa. Você, apesar de durona, é nossa amiga.
Clara sorriu. Ela realmente havia gostado, mas ainda não dissera nada.
- Fala alguma coisa, menina! – disse Leandro.
E finalmente, ela disse:
- Ai gente, eu to sem palavras. Pensei que vocês tinham esquecido o meu aniversário. Obrigada! Então aquela história de estudar era mentira, né!
 Os três abraçaram a menina, que se comoveu e acabou deixando escorrer algumas lágrimas.
- Eu sabia que havia algum sentimento dentro desse coração de pedra – riu Erick.
A festinha foi bem agradável, mas Clara ainda não havia desistido de Erick; pelo contrário, aquela festinha fez a menina gostar mais ainda dele. Ela pensou que estar entre os amigos, algum dia, ainda poderia despertar o interesse de Erick por ela.
À noitinha todos se despediram, menos Malu, que aproveitou que era sexta-feira para ficar mais tempo com o namorado. Os avós de Erick também aproveitaram para conversar. Contaram vários casos do menino para Malu e deram boas risadas. Mais tarde, Erick deixou Malu no portão de casa.
- Que bom que deu tudo certo. Pelo menos a Clara voltou a falar com a gente.
- Sim, meu amor. O seu plano deu certo! – respondeu ele, abraçando a menina. – Eu te amo para sempre!
           Eles se beijaram, abraçaram fortemente e Malu abriu o portão. Erick assoviou e Malu olhou para ele. Ele fez um coração com as mãos e Malu retribuiu com outro coração. O menino não queria ir embora, mas acabou indo, pois o pai de Malu apareceu na janela e a menina entrou em casa. 

8 de outubro de 2017

Uma Nova Vida - Capítulo 5

outubro 08, 2017 2 Comments

Eles se despediram, pois já estava ficando tarde e a mãe de Malu já havia aparecido na porta do quarto várias vezes mandando desligar o notebook, antes que o pai dela visse e arrumasse uma confusão por nada.

No dia seguinte, um novo aluno entrara na turma dos três. Seu nome era Leandro e Erick já o conhecia desde os onze anos, quando seu pai fez amizade com o pai de Leandro. Erick ficou feliz em rever o amigo, que agora estudaria com ele.
Leandro morava em outro bairro, mas viera estudar nesta escola, pois era mais perto do trabalho de seu pai, que o levaria e buscaria todos os dias. 
Erick e Leandro conversaram muito durante a aula. No recreio, Erick chamou Leandro para ficar com ele e Malu. Clara, de novo, fez questão de desaparecer. Parecia que ela queria que Erick notasse e sentisse sua falta. Ele até ficava um pouco preocupado, mas não a ponto de querer procurar por ela, pois só poderia estar em algum lugar da escola.
- Oi Malu, meu nome é Leandro, mas você pode me chamar de Lê. É assim para os mais chegados.
- Então, Lê, a Malu é minha namorada – disse Erick.
- Ah, beleza. Esse é seu nome mesmo ou apelido?
- É meu nome – respondeu ela, sorrindo.
Leandro trocou olhares com ela. A sorte foi que Erick estava justamente olhando para o outro lado. Leandro havia ficado paralisado com o sorriso de Malu. Qual menino não ficaria? O sorriso brilhante da menina ofuscava os olhos de todo mundo. Malu olhou para Erick e perguntou:
- O que você está procurando?
- A Clara, eu queria perguntar se ela vai ao meu jantar hoje. Eu convidei o Lê e pensei que se ela aparecesse, poderia ficar de papo com ele, assim eles não ficariam de “vela” do nosso lado.
- Ah, amor, bem pensado. Então, Lê, a Clara é nossa amiga, ela é bem linda, viu! Mas ela gosta de sumir pela escola de vez em quando – disse Malu rindo.
Leandro percebeu que Malu queria “empurrar” a menina pra cima dele e ele até se empolgou, pensando:
- Se o sorriso dela for como o da Malu eu aceito!
A tarde demorou passar. Erick foi para o curso de desenho. Clara não havia aparecido ainda. Malu ficou vendo TV, até chegar a hora de se arrumar para o jantar na casa do namorado.
Chegara a hora do jantar. Malu estava linda! Ela atravessou a rua e tocou o interfone. Erick atendeu:
- Malu, você está simplesmente incrível! Entre!
Ela lhe deu um abraço e entregou-lhe o presente.
Os avós de Erick estavam na sala esperando os convidados. Malu os abraçou e depois foi com Erick até o quarto para abrir os presentes.
- Espero que goste do que eu comprei. Eu não sei escolher presente, principalmente porque você é meu namorado e teria que ser uma coisa bem especial.
- Não, Malu, – riu Erick e continuou – você não precisava se preocupar em me dar nada. Você é o meu presente e só de você estar aqui comigo já é o suficiente.
Erick abriu seu presente. Era um estojo com uma caneta e uma lapiseira, bem chique por sinal. E dentro do estojo havia também um cartão perfumado, onde Malu dera um beijo de batom e escreveu em letras bem grandes: “Eu te amo, Erick! Feliz aniversário! De sua sempre Malu.” Eles se beijaram.

Minutos depois, o interfone tocou novamente. Era Clara, e Erick desceu as escadas para recebê-la. Clara sorriu para ele e lhe deu um abraço bem apertado.
- Oi Erick, meus parabéns! Trouxe este presente, não sei se vai te agradar.
Malu estava no quarto de Erick, olhando a escrivaninha, cheia de desenhos feitos por ele. Ela desceu as escadas para ver quem havia chegado.
Ao ver que Clara conversava com Erick bem pertinho dele, ela simplesmente ignorou-os e sentou-se no sofá, junto com os avós dele. Erick a chamou. Clara fez cara feia, mas Malu foi correndo ficar com o namorado. Malu cumprimentou a amiga.


- Oi Clara. O Leandro deve estar quase chegando.
- E quem é Leandro?
- Ele é meu amigo de infância. Aquele novato da nossa sala, lembra? – disse Erick.
- Ah sei, então você são amigos? Entendi... mas e daí?
Erick deixou pra lá e não quis explicar. Ele levou as duas para seu quarto e abriu o presente de Clara. Era uma camisa de manga comprida, toda listradinha.
- Achei que ficaria legal em você.
- Obrigado. É muito bonita, sim.
Malu ficou olhando pela janela, enquanto Erick e Clara olhavam os outros presentes que ele havia ganhado.
- Quem te deu tudo isso?
- Foram os meus avós, e meus pais enviaram estes aqui pelo correio.
- E por que eles não vieram te ver?
- Eles estão sempre ocupados – respondeu ele, entristecido.
Os três ficaram sentados na varanda do quarto de Erick, ouvindo música. Leandro só chegou meia hora depois, dizendo que havia ficado perdido.
- Eu nunca vim aqui sozinho. Meu pai não pôde me trazer, então eu peguei um ônibus e tive que quebrar a minha cabeça pra conseguir chegar – disse ele, e riu.
- Beleza, cara! Ainda bem que você conseguiu chegar. Acho que o jantar já está servido, vamos para a mesa?
Durante o jantar, Clara não parava de olhar para Erick, que só tinha olhos para Malu. Leandro achara Clara bonita e atraente, mas ela quase não sorria, e isso era algo que ele admirava nas mulheres; para ele, era fundamental. Malu quebrou o silêncio:
- E então, Lê. O que você achou da Clara?
Clara olhou desconfiada para Malu. Leandro respondeu:
- Ela é linda.
- Por que vocês estão falando de mim, hein?
- Ah, Clara, não se preocupe. Nós íamos apresentar vocês na escola, mas como você sumiu, eu e a Malu comentamos com o Lê que você talvez viesse na minha casa hoje. Então ele ficou doido pra vir te conhecer. Nós elogiamos você!
- Ah, elogiaram? Que bom! Então tudo bem – Clara sorriu e Leandro finalmente pôde ver seu sorriso.

4 de outubro de 2017

Amor além da vida, 500 dias com ela, e mais

outubro 04, 2017 0 Comments

Hoje trouxe mais dicas de filmes, que assisti nesses últimos dias. São 5 filmes muito emocionantes. Confira a sinopse de cada um e a minha opinião. Todos eles eu assisti no Netflix, mas você pode encontrá-los em outros sites.

1 de outubro de 2017

Uma Nova Vida - Capítulo 4

outubro 01, 2017 0 Comments

- Está bem, filha. Agora chega de me enrolar. Vocês estão namorando? Eu vim aqui no seu quarto para que o seu pai não ouça nada.

Malu fez “xiiiuu!” para a mãe.
- E então, Malu, estou esperando. É verdade que vocês se beijaram? Foi o seu primeiro beijo, filha! Que coisa mais linda!
- Sim, mãe, e foi o primeiro beijo do Erick também. Mas estamos namorando em segredo, viu? Nem a Clara podia saber, porque ela também gosta do Erick.
- Está explicado porque ela estava aos prantos depois do beijo de vocês.
- Xiii! Eu não queria ter causado isso, mas o Erick gosta de mim e não dela, senão não teria me pedido em namoro...
- Isso é verdade, mas de qualquer forma eu acho que você e o Erick deveriam conversar com a Clara depois, para esclarecer tudo. Quem sabe ela não deixa vocês em paz?
Malu abraçou a mãe e sorriu. Ela estava feliz pelo namoro, mas também um pouco chateada pela amiga. E agora, como eles resolveriam isso?
À tardinha, Erick foi à casa de Malu. Eles se abraçaram e foram conversar embaixo da árvore.
- Tá tudo bem, minha linda? Seu olhar parece tão distante, sem brilho... Era pra você estar feliz, afinal estamos namorando!
- Estou mais ou menos. Minha mãe já sabe que estamos juntos, mas meu pai não pode nem sonhar com isso! Desculpe, Erick, eu sou uma burra de estar assim perto de você! Daqui a pouco você enjoa de mim...
Erick colocou a mão no queixo da menina e levantou sua cabeça:
- Olha pra mim, bobona! Eu nunca vou enjoar de você. Eu só fiquei preocupado porque não quero que fique chateada com nada, isso me magoa. Eu te amo!
Malu ficou surpresa e nem soube o que dizer. Erick olhou para ela, esperando que dissesse algo, mas nada saiu. Malu começou a chorar. Erick a abraçou.
- Quer me contar o que está acontecendo? É por causa de seu pai?
- Não... o problema é que eu tenho medo de te perder porque eu também te amo muito, sabe.
- Você não vai me perder. Eu acabei de dizer que te amo, e juro que o que eu sinto é verdadeiro e não vai acabar.
- Eu acredito em você mas... é que o destino às vezes nos prega peças. Os meus pais também se amavam muito quando eram novos; hoje eles mal se falam.
- Não se preocupe! Somos muito novos ainda e temos muito o que viver e aprender.
Eles se beijaram e viram o pôr-do-sol, abraçados. Antes de se despedir, eles tiraram algumas fotos. Erick disse:
- Faltam dois dias para o meu aniversário e eu queria que você fosse jantar lá em casa. Não vou fazer festa.
- Só eu?
- Eu pensei em convidar a Clara, para ela não se sentir excluída de novo, mas não sei se ela vai querer ir.
- É... eu preferia estar sozinha com você, e seus avós, é claro. Mas se quer convidar a Clara, tudo bem.
- O seu problema é com a Clara? O que aconteceu para você estar tão chateada com ela?
Malu não quis dizer nada. Apenas deu a desculpa de que estava tarde e que ela precisava ir embora.
- Depois falamos sobre isso!
Erick foi embora pensativo. Só queria entender por que Malu não queria que Clara fosse ao seu jantar de aniversário.
No dia seguinte, na escola, Erick percebeu que Clara e Malu não se falavam e mal se olhavam. Ele passou a aula desenhando para tentar esquecer aquilo, até que Malu lhe contasse o ocorrido. A hora do recreio havia chegado. Malu sentou-se num canto sozinha para lanchar, enquanto Clara desaparecera, ninguém a viu o recreio inteiro. Erick sentou-se ao lado de Malu:
- Oi Malu! Nós podemos conversar agora?
- Tudo bem. Então... você alguma vez desconfiou que a Clara gosta de você?
- Como assim?
- Ela sempre gostou de você. Desde que cheguei percebi isso. E na minha festa de aniversário eu tive certeza. Minha mãe a encontrou chorando, e ela simplesmente disse que nos viu aos beijos. Ela está me odiando agora.
- Ué, a Clara gosta de mim mesmo? - Erick sorriu e pegou nas mãos de Malu, e continuou - Então é por isso que você está com medo de me perder? Bobinha! Você acha que eu ficaria com a Clara? O fato de ela gostar de mim não quer dizer que eu vá ficar com ela. Você sabe que eu só tenho olhos para você.
Malu abraçou o namorado, com os olhos cheios de lágrimas. Erick retribuiu o abraço e disse:
- Eu prometo que não vou te deixar. Eu te amo muito!
- Eu te amo mais!
Depois do recreio, Clara entrou na sala e nem olhou para Malu. Porém, não tirava os olhos de Erick, Isso deixou Malu furiosa. Na hora da saída, Malu correu atrás de Clara.
- Por que você não fala mais comigo? O que eu te fiz, hein?
- Calma, garota! Só não to a fim de papo. Tchau.
Erick se encontrou com Malu no portão e eles foram para casa de mãos dadas. Clara, que ainda estava por perto ficou observando-os. Ela estava decepcionada, mas como Erick podia imaginar que ela gostava dele, se nunca disse e nem demonstrara nada? Os olhares dela não foram suficientes para que ele notasse o quanto ela o amava. E muito antes de Malu chegar, ela o olhava diferente.
Agora Malu teria esse problema para resolver. Conversaria com Clara sobre seu namoro com Erick e, se ela não aceitasse, teria que terminar a amizade entre as duas.
A tarde foi bem chuvosa. Erick e Malu conversaram pelo chat.


- Coitada da Clara. Tentei falar com ela depois da aula, mas ela nem quis conversar.
- Mas coitada por quê? Como eu poderia imaginar que ela gostava de mim, se nunca me disse nada?
- É verdade, os homens não entendem as coisas só pelo olhar, como nós mulheres. É preciso palavras. Mas eu sabia e não disse nada.
- E daí que você sabia? Eu não ia trocar você por ela! Mesmo antes de eu te pedir em namoro, não ia ficar com ela se soubesse. Eu já te disse umas mil vezes que não vou com a cara dela e só aceitei ficar perto de vocês porque vocês eram amigas, ou são ainda, não sei mais... Eu não podia te proibir de ser amiga dela e muito menos escolher os seus amigos.
- Eu sinto um pouco de culpa, mas ela também não me contou nada, eu fui percebendo aos poucos.
- Então, é melhor esquecer isso. Já disse que não ia mudar em nada o que eu sinto por você, se soubesse que ela gostava de mim. Bem, vamos falar de outra coisa. Você vem no meu aniversário amanhã?
- Mas é claro que sim, que pergunta! Até já comprei o seu presente!
- Humm, agora fiquei curioso! Mas será que a Clara vem?
- Mesmo magoada, ela vai aparecer sim.  Você acha que ela vai perder uma oportunidade de estar perto de você, ainda mais no seu aniversário?
- Verdade. Ah, esqueci de te contar, amanhã começo o meu curso de desenho.
- Sério? Ai, que legal! Eu acho que você nem precisa, mas já que quer... Fico feliz!
- Sim, sim! Porque quando eu for procurar emprego nessa área já serei um “expert”.
Eles se despediram, pois já estava ficando tarde e a mãe de Malu já havia aparecido na porta do quarto várias vezes mandando desligar o notebook, antes que o pai dela visse e arrumasse uma confusão por nada.

24 de setembro de 2017

Uma Nova Vida - Capítulo 3

setembro 24, 2017 0 Comments

- Será que a Clara gosta mesmo do Erick, ou eu to ficando doida? Bem, seja lá o que for, eu acho que o Erick gosta de mim, então eu preciso me preocupar só com isso.

Dois anos se passaram. Malu, Clara e Erick já tinham quatorze anos, quase quinze. Clara continuava morrendo de ciúmes dos amigos, sempre se oferecendo para ir com eles em todo lugar. Quem via os três juntos até dizia que eram amigos inseparáveis, mas no fundo Clara queria ter algo com Erick. E Malu sempre tomava o maior cuidado para não deixar a amiga se aproximar demais do menino.
Certo dia, depois da aula, Clara ligou para Erick:
- Oi Erick, tudo bem? Eu posso passar aí na sua casa?
- Pode sim, mas pra quê?
- Eu to me sentindo sozinha. Tentei falar com a Malu, mas ela não me atende, então pensei em conversar com você.
- Ela não te atendeu? Que estranho, hoje ela estava normal na escola... lembra?
- Sim, mas ela deve estar ocupada agora.
Clara foi à casa de Erick e se ofereceu para fazer um lanchinho para os dois. Erick disse que não precisava, já que a empregada estava em casa, mas ela insistiu. Enquanto lanchavam, Clara pegou o celular e começou a fotografar os dois.
- O que você está fazendo?
- Vamos tirar umas “selfies”? Assim eu me sinto melhor.
- Tá, mas até agora você não me disse por que estava triste.
- Eu não disse que estava triste, mas me sentindo sozinha. Meu avô só fica enfiado nos papéis o dia todo, cuidando de negócios.
- Certo. E a Malu, vamos na casa dela?
- Mas... e se ela estiver ocupada?
- Eu te garanto que para mim ela sempre arruma um tempinho, quer apostar?
- Não, não precisa. Vamos lá então, todo poderoso!
Erick e Clara tocaram o interfone. A mãe de Malu atendeu e quando soube que era o Erick, foi logo abrindo a porta. Ela ficou surpresa ao vê-lo em companhia de Clara, e disse:
- Ah, oi, pensei que estivesse sozinho. Entrem!
Clara mostrou um “sorriso amarelo” e entrou. Malu desceu as escadas correndo e abraçou os amigos.
- Que surpresa! O que fazem aqui?
- A Clara disse que... – começou Erick.
- Eu fui visitar o Erick e tivemos a ideia de passar aqui. – interrompeu Clara.
Malu achou estranho sua amiga ter ido visitar Erick primeiro. E agora ela ficara com medo dessas visitas se tornarem frequentes. Mas, como era uma menina educada, ela simplesmente sorriu e respondeu:
- Ah, que bom! Vamos para o meu quarto.
Clara puxou Erick, que não gostou e empurrou a mão dela. Malu pegou na mão de Erick e eles se olharam, sorrindo.
Essa relação amigável dos três já estava ficando esquisita. Malu sabia que sua amiga gostava de Erick, mas ela não queria dizer nada, porque sabia que Erick gostava mais dela do que de Clara. Erick nunca havia demonstrado interesse algum por Clara, o que deixava Malu mais tranquila.



Faltavam poucos dias para o aniversário de Malu. Seus pais estavam preparando uma linda festa, como ela nunca tivera antes de se mudarem para aquela casa. E pensaram que uma festa de quinze anos para uma menina deveria ser muito especial.
Malu planejara dançar valsa com Erick, mas Clara ainda não sabia. Ela só soube na hora, pois Malu fez questão de fazer surpresa. O pai de Malu, como sempre, ficou de cara amarrada a festa inteira, vendo sua filha de papo com Erick. Clara reclamou:
- Eu devia saber! Só podia ser o Erick, o grande par da Malu. A minha festa está chegando, e eu também quero dançar com ele.
Logo após a valsa, Erick chamou Malu num canto:
- Malu, eu já disse que você está maravilhosa hoje?
Malu sorriu envergonhada. Ele continuou:
- Quer fugir comigo para debaixo da árvore?
- Ah, mas vamos deixar os convidados aqui?
- Eles nem vão perceber, tá todo mundo se divertindo.
Erick puxou Malu pelas mãos. Clara os seguiu e viu tudo.
Embaixo da árvore, Erick disse:
- Tenho medo de dizer isso por causa da nossa amizade, que é muito importante para mim, e não quero que acabe por nenhum motivo, mas... você quer ser minha namorada? Mesmo que seja escondido.
Malu sorriu e respondeu “sim”. Uma música romântica começou a tocar tão alto na festa, que dava para ouvir do lado de fora. E eles finalmente, e lentamente, se beijaram. Foi o primeiro beijo dos dois. Malu não ouviu mais música nenhuma. Ela mal sentia seus pés e parecia estar flutuando. O mesmo aconteceu com Erick. Eles estavam muito apaixonados.


Clara não sabia se sentia raiva ou tristeza. Ela foi para o jardim e se escondeu perto da piscina. Ela tentou segurar, mas acabou chorando. A mãe de Malu viu a menina sozinha e foi falar com ela:
- O que aconteceu, florzinha?
- Não foi nada.
- Não quer me contar? Eu já tive a sua idade.
- Foi a sua filha que me fez chorar. Ela está aos beijos com o Erick lá fora, embaixo da árvore.
- Entendi, eu já sofri por meninos na sua idade, sei como é. Depois eu converso com a Malu.
A mãe de Malu foi conferir. Ao sair de casa, viu Erick e Malu abraçados, saindo do lote. Ela ficou aliviada de não ver os dois aos beijos, como Clara havia dito e decidiu que falaria com a filha após a festa.
- Meu Deus, quanto escândalo a Clara fez! Eles estão tão bonitinhos juntos!
A festa terminou às três da manhã. Malu dormiu como um anjo e sonhou com Erick. Assim que amanheceu, a mãe de Malu foi até o quarto da menina levar seu café-da-manhã:
- Filha! Acorda!
- Ah nem, mãe! Deixa eu dormir mais um pouquinho...
- Tudo bem, desde que você me conte o que aconteceu ontem na festa entre você e Erick.
Malu deu um pulo da cama e até perdeu o sono.
- Eu e o Erick? Você viu? – perguntou ela, sem graça.
- Filha, eu não vi nada, por isso estou perguntando.
- Tá, mas então como soube que aconteceu algo?
- Sua amiga Clara me contou, mas eu gostaria de ouvir isso de você.
- Aquela fofoqueira! Que mania de bisbilhotar tudo o tempo todo! – respondeu Malu, irritada.
- Está bem, filha. Agora chega de me enrolar. Vocês estão namorando? Eu vim aqui no seu quarto para que o seu pai não ouça nada.

20 de setembro de 2017

Puzzlerama: treine seu cérebro

setembro 20, 2017 0 Comments

Hoje trouxe uma dica bem legal de jogo para você instalar em seu tablet/celular android. É um jogo super completo. Falo isso porque eu mesma jogo e simplesmente amo! Adoro joguinhos desse tipo e nesse posso jogar 10 joguinhos; cada jogo tem vários níveis de dificuldade, e em cada dificuldade existem vários níveis. Ou seja, você se diverte por muito tempo, sem ver esse tempo passar.