Instagram @linsrachel

@linsrachel

18 de fevereiro de 2018

Uma Nova Vida - Capítulo 24

fevereiro 18, 2018 0 Comments

- Ô Erick, eu quero que saiba que não tenho nenhum ressentimento, estou feliz com o Leandro e, apesar de tudo o que eu e você passamos juntos, foi bom enquanto durou e eu não posso te culpar de nada, talvez não fosse mesmo para continuarmos juntos. Mas saiba que eu vou levar para sempre dentro do meu coração tudo o que vivemos, porque foi tão especial! Você foi meu primeiro amor.

Erick sentia-se mais aliviado. Dias depois da festa, ele e Clara visitaram Malu, para que ele relembrasse o lugar onde crescera. Ele realmente se lembrou de tudo, e as lembranças ficaram cada vez mais claras em sua mente. Ele estava feliz por ter passado aqueles últimos anos ao lado de alguém tão especial como Malu e, agora, poderia seguir sua nova vida adiante. Clara também pediu perdão à amiga e elas se entenderam novamente.
Dois anos depois, Clara e Erick se casaram. Malu e Leandro eram seus padrinhos e, na festa tocou a música “Be With You”. Dois anos depois, assim que Malu terminara a faculdade, sua mãe se mudou para o Canadá, para fazer companhia ao seu pai; Leandro se casou com Malu e foi morar com ela em seu casarão. Erick e Clara também foram seus padrinhos. E assim, a nova vida deles foi resolvida.

A amizade entre eles continuou como antigamente. O que havia mudado era que agora estavam casados, eram adultos responsáveis, tinham uma vida profissional bem agitada e se encontravam em alguns fins de semana para conhecer novos lugares e colocar o papo em dia.
E por mais que Erick tivesse algumas lembranças dele com Malu, eram apenas lembranças, e faziam parte do passado e de sua história. Sua pré-adolescência e início da adolescência tinham sido tão intensos quanto de qualquer outra pessoa. Graças a tudo o que ele vivera com Malu, sua vida havia mudado e ele estava muito feliz e realizado com Clara. Talvez essa fosse a vida que ele precisava viver de verdade.



A série termina aqui! Espero que tenha gostado e compartilhado! 


11 de fevereiro de 2018

Uma Nova Vida - Capítulo 23

fevereiro 11, 2018 0 Comments

- Sim, Clara, você tem razão. O Leandro também tinha razão quando disse que não era pra ser. A minha vida é com você, a nova vida que eu escolhi. E te prometo que nosso futuro será incrível!

Alguns dias depois, a mãe de Malu voltou de viagem e abraçou a filha:
- Filha! Você melhorou!
- Você soube do acidente?
- Eu recebi várias mensagens do Leandro, mas meu celular estava sem sinal e só soube agora. Passei no hospital e disseram que você teve alta. Estava doida pra te dar um abraço! Perdão por não ter vindo antes.
- Tudo bem, mãe, você não ia mesmo gostar de me ver naquele estado... Fiquei mais de um mês internada, sem poder fazer nada e você não imagina a confusão que isso causou. Se não fosse meu anjo da guarda, não saberia o que fazer!
- Que anjo? O Erick?
- Não, o Erick também ficou internado, ele perdeu a memória e acabou se apaixonando pela Clara. Não estamos mais juntos.
- Ô filha, eu sinto muito. Vocês se amavam tanto! E você não está chateada?
- Fiquei sim, mas tudo se resolveu. O Leandro é meu anjo da guarda e resolveu tudo para mim enquanto eu estava em coma. Eu e ele agora estamos namorando.
- O seu amigo Leandro?
- Sim, ele mesmo. Quando ele me contou que já gostava de mim desde que me viu pela primeira vez, eu achei tão fofo! E como já éramos amigos, nós decidimos então ficar juntos. Já que o Erick me trocou pela Clara, que tanto queria ele, eu também não quis ficar sozinha!
- O Leandro é um garoto bonito, inteligente... Acho que vocês combinam!
- Sim, além disso, ele é um menino muito especial, vale muito a pena, mãe!
A mãe de Malu aproveitou que a filha estava empolgada e contou a novidade:
- Eu pensei em me mudar para o Canadá, filha.
- Mas mãe, você vai me largar aqui? Já não basta o papai ir embora, e agora você?
- Ah, filha, esse tempo que eu passei fora me fez ver que lá pode ser um lugar melhor para morar e trabalhar.
- Ai, mãe, não inventa! Você sempre foi dona de casa, vai trabalhar com o quê lá? Foi o papai que te chamou, não foi?
- Na verdade, foi sim. Mas, agora, pensando melhor vou ficar com você. Sei que você precisa de mim muito mais do que seu pai! Esquece tudo o que eu disse!
Elas se abraçaram. A mãe entregou-lhe vários presentes e elas passaram a noite rindo e conversando sobre a viagem.



Erick e Clara estavam muito felizes. De vez em quando alguma cena do passado vinha na mente dele, mas ele negava tudo, como se não tivesse acontecido e acabava esquecendo.
O chefe de Erick lhe fez uma visita, pois queria saber quando seu ilustrador favorito voltaria ao trabalho. Clara contou-lhe sobre a perda de memória do namorado e que ele teria que ficar afastado por mais um tempo.
- Ele ainda não se lembra de tudo, sabe... Esses dias ele voltou a desenhar, mas não sei como será no escritório.
- Entendi. - respondeu o chefe de Erick, e continuou falando, olhando para ele - Então, a editora estará de portas abertas para quando você quiser e puder voltar. Eu trouxe uma de suas revistas, e você pode ficar com ela para tentar se lembrar do que fazia.
Eles se despediram. Clara contou a Erick que seu sonho era trabalhar naquela editora e ele não podia perder a oportunidade. Ele precisava se esforçar mais para conseguir estar de volta.
Com muita dedicação e a ajuda de Clara. Erick conseguiu retomar suas atividades na editora em menos de um mês. Eles passaram horas desenhando e lendo as revistas, analisando cada detalhe.
Algumas semanas depois, a mãe de Erick foi visitá-lo e passar uns dias em seu apartamento para checar como estava indo sua recuperação.
- Filho, vem cá me dar um abraço!
- Oi mãe, que bom que voltou!
Eles sentaram no sofá e sua mãe continuou:
- Como estão as coisas por aqui?
- Tá tudo bem, mas eu preciso te contar muita coisa que você ainda não sabia.
Erick contou à mãe sobre seu namoro com a Malu no passado e suas visões e lembranças. A mãe de Erick ficou chocada ao saber que Clara havia enganado o filho e que a namorada dele era mesmo a Malu.
- Eu não quero essas imagens na minha cabeça, mãe. Isso me incomoda, porque eu estou com a Clara e... nós nos amamos.
- Eu sei filho, mas isso faz parte da sua vida. É normal que essas imagens vêm à sua mente às vezes. É sinal de que está voltando ao normal. Todo mundo tem lembranças boas e aquelas que queremos esquecer também. E você, querendo ou não, deve entender que isso faz parte do seu passado, é a sua história, filho.
Após uma longa conversa, Clara chegou no apartamento.
- Oi amor, voltei e trouxe a sua torta favorita!
Clara cumprimentou a mãe de Erick, que olhou séria para ela. Clara não estava entendendo nada e perguntou:
- O que foi, gente?
- O Erick me contou sobre você ter enganado ele. E você teve muita sorte dele não te odiar. Se ele não se apaixonasse por você, do jeito que eu conheço o meu filho, ele ficaria com muita raiva de você. Teve mesmo muita sorte!
Erick abraçou Clara e disse:
- Não foi sorte, mãe, foi o amor... Eu me lembrei de uma coisa. Eu ia pedir a Malu para ser minha noiva, antes do acidente, foi por isso que eu chamei você aqui, mãe. Então, queria aproveitar que nós três estamos juntos aqui para perguntar à Clara, oficialmente, se ela quer ser minha noiva.
Erick abriu a gaveta do armário e pegou um anel.
- Então Clara, você faz parte da minha nova vida e é muito especial para mim. Quero brindar esse momento te pedindo para fazer parte da minha vida para sempre, você topa?
- É claro que eu topo, meu amor! Era o que eu mais queria desde que me apaixonei por você, aos onze anos, e sonhava passar o resto da minha vida ao seu lado. Você não imagina como estou feliz!
Eles se beijaram e a mãe de Erick se emocionou. Ela pensou em abrir um champagne, mas preferiu deixar daquele jeito, já que Erick não havia mostrado interesse algum em beber novamente.
Malu e Leandro foram convidados para a festa de noivado de Erick e Clara. Durante a festa, Erick foi até Malu e a abraçou. Eles conversaram:
- Malu, você me perdoa por não ter escolhido você? Eu só poderei prosseguir a minha vida com a Clara se você me perdoar, senão passarei o resto da vida me sentindo mal por deixar você mal também.
- Ô Erick, eu quero que saiba que não tenho nenhum ressentimento, estou feliz com o Leandro e, apesar de tudo o que eu e você passamos juntos, foi bom enquanto durou e eu não posso te culpar de nada, talvez não fosse mesmo para continuarmos juntos. Mas saiba que eu vou levar para sempre dentro do meu coração tudo o que vivemos, porque foi tão especial! Você foi meu primeiro amor.


4 de fevereiro de 2018

Uma Nova Vida - Capítulo 22

fevereiro 04, 2018 0 Comments

- Entendi... pode ser mesmo! Bem, eu vou pensar e te dou a resposta depois.
- Tá, vou esperar ansioso.
Malu se despediu e foi para casa pensar o que fazer.

Enquanto isso, no apartamento de Erick, Clara o abraça:
- Eu te amo, Erick! Sabia que você não ia desistir de mim. Prometo que não vou te decepcionar nunca!
Eles se beijaram. Clara perguntou:
- E essas coisas da Malu, o que você vai fazer com elas?
- Não sei, depois eu entrego pra ela, qualquer dia desses...
Dias depois, Malu marcou um encontro com Leandro na pracinha. Chegando lá, ela disse:
- Oi Lê, demorei?
- Claro que não, você é bem pontual, como sempre – riu Leandro – Só não entendi porque quis me ver aqui na praça. Você não vai pensar no Erick, vai?
- Não, o Erick não existe mais. Não desta forma que você está pensando. Se ele quiser, podemos continuar sendo amigos, mesmo assim acho estranho.  Mas esquece o Erick, tenho uma coisa pra te falar.
- Antes eu preciso te entregar isso – disse Leandro, entregando à Malu um bichinho de pelúcia. – Trouxe para você, espero que goste!
- Ah, obrigada! Eu amei! – respondeu Malu, abraçando o bichinho.
- Eu sabia que ia gostar, uma vez vi você de olho em uma vitrine de pelúcias... Não sei se você se lembra disso, mas eu me lembro de cada passo seu. E quando vi você em coma, quase morri. Mas eu precisava ser forte e te ajudar, em vez de morrer – ele riu.
- Seu bobo! Eu... aceito ficar com você.
- Vai ser minha namorada?
- Sim!
Eles se beijaram lentamente. Malu ainda achava estranho beijar seu melhor amigo, que agora era namorado. Leandro pensou estar vivendo um sonho, o sonho que ele nunca achou que se realizaria. Ele a amava de verdade, seu olhar não negava isso.
- Bem que a Clara uma vez me disse que você me olhava diferente...
- Sim, eu tentava disfarçar, mas nem sempre conseguia, porque meu amor por você falava mais alto. Eu já disse que me apaixonei por você desde quando vi seu sorriso.
Leandro olhou para Malu, apaixonado e perguntou:
- Posso te dar um abraço bem apertado?
- Não precisa pedir, somos namorados agora e podemos nos abraçar sempre!
- É que agora é diferente. É o abraço que eu sempre desejei te dar.
Eles se abraçaram fortemente. E Malu se sentiu mais confortável.
Alguns minutos depois, Leandro mudou de assunto:
- Precisamos resolver algumas coisas.
- Que coisas?
- Ah, sua faculdade, seu novo carro, porque aquele do acidente já era... sua mãe já voltou de viagem?
- Não, acho que ela nem soube do acidente.
-Eu tentei enviar umas mensagens, mas não sei se ela recebeu, ela não me respondeu...
Leandro entregou à Malu seus documentos, que haviam ficado com ele desde o momento do acidente. Malu olhou para Leandro e voltou ao assunto anterior:
- Eu confesso que ainda é estranho a gente ficar junto, depois de tudo o que aconteceu. Eu vou levar um tempo ainda para esquecer a minha vida com o Erick, fingir que nada daquilo aconteceu...
- Não precisa, em vez disso você pode pensar no passado tentando se lembrar das vezes em que eu estava com vocês... porque eu faço parte desse passado e se não fosse o Erick, você nunca teria me conhecido.


No apartamento de Erick, Clara preparou outra lasanha de berinjela. Eles jantaram, dançaram a música “Be With You” e conversaram um pouco:
- Amor, você quer ser minha noiva?
- É sério isso?
- Sim, eu te amo e sei que isso é o que você mais quer!
Eles tiveram uma noite romântica, depois do jantar.
No dia seguinte, Leandro visitou o amigo. Eles precisavam conversar sobre Malu.
- E aí, cara, como estão as coisas com a Clara?
- Ela dormiu aqui ontem. Está lá no quarto ainda.
- Humm, quer dizer que com a Clara deu certo!
- Do que você está falando?

- É que antes do acidente a Malu dormiu com você, mas não rolou nada entre vocês – riu Leandro – É porque não era pra ser!
Erick olhou para o amigo um pouco sem graça e sem entender nada:
- Como assim não era pra ser?
- Bem, se você teve oportunidade com a Malu e não deu certo, é porque a Malu deveria mesmo ficar comigo. E eu vim aqui justamente para te contar que eu a Malu estamos juntos.
- Nossa, como você é rápido! Bom pra vcs! Eu acabei de dar um fora nela e você não perdeu tempo, já correu para os braços da menina. O que quer que eu pense?
- Bom... eu já gostava da Malu desde o dia em que você nos apresentou. Só estou te contando porque sou seu melhor amigo e acho justo você saber, ainda mais agora que você está com a Clara e não tem mais nada com a Malu... até porque você nem se lembra dela direito. Então...
- Tá, e você acha justo me contar isso agora? Será que é justo ter me enganado?
- Eu não enganei você, cara! Nunca fiquei com a Malu antes, porque a nossa amizade significa muito pra mim e eu não podia destruí-la. O fato de eu gostar dela há muito tempo não quer dizer que a gente tenha tido algo. Dá pra você entender?
- Engraçado, eu não to nem aí pra você e a Malu. Que fiquem juntos!  Só não gostei de saber que você se aproveitava da nossa amizade pra ficar de olho nela, a namorada do seu melhor amigo! Será que eu posso confiar em você mesmo?
- Calma, Erick! É claro que eu não ficava com vocês só por isso. Mas eu também não conseguia parar de olhar pra ela. Estar com vocês me fazia bem. Eu nunca pensei que ficaria com ela um dia, por isso eu não alimentava esperanças; eu juro que não pensava em ficar com ela um dia porque vocês se amavam muito. Cara, eu não quero brigar com você!
- Então para de falar disso! – gritou Erick.
Clara ouviu a discussão e foi até a sala.
- Gente, que baixaria é essa aqui? O prédio todo está ouvindo!
Clara abraçou Erick, que estava muito irritado.
- Amor, o Lê tá me tirando do sério. Tira ele daqui antes que eu fique pior.
Clara deu-lhe um beijo e o acalmou:
- Calma, meu amor, não fique assim, não faz bem pra você! Vai, me conta! O que está acontecendo?
Erick não disse nada, apenas sentou-se no sofá e ficou olhando para o chão, pensativo. Leandro intrometeu:
- Eu contei para o Erick do meu amor pela Malu, Clara. E contei que agora somos namorados.
Erick olhou para Clara, irritado:
- Ah, então você também sabia, só eu que não sabia de nada? Vocês gostam mesmo de mim, hein?
- Não, amor, deixa de besteira, presta atenção. O Lê me contou uma vez que gostava da Malu, na mesma época em que eu contei que gostava de você. Mas não teve nada entre os dois, porque a Malu te amava...
- Foi o que eu disse, mas ele não acredita em mim. E eu já sabia, Clara,  que você gostava do Erick muito antes de você descobrir que eu gostava da Malu, deixa de ser mentirosa!
Erick não agüentava mais tanta confusão e gritou:
- Dá pra parar com isso? Eu já to cansado. Olha, Leandro, muito obrigado por ter tido o trabalho de vir aqui me contar isso, mas eu não quero mais saber dessa história. Tá me confundindo mais ainda. Por favor, leve esta sacola de volta para a Malu!
Leandro pegou a sacola e foi embora.


Erick olhou para Clara, respirou fundo, e ela o abraçou, dizendo:
- Tá tudo bem, meu amor. Esquece essa história mesmo! Isso não te faz bem. Você já percebeu que a Malu e você nunca deram certo de verdade. Por mais que vocês tenham vivido uma linda história de amor... Eu sei que viveram porque eu estava com vocês o tempo todo... Mas a nossa história é muito melhor! O Leandro e a Malu se merecem.
- Sim, Clara, você tem razão. O Leandro também tinha razão quando disse que não era pra ser. A minha vida é com você, a nova vida que eu escolhi. E te prometo que nosso futuro será incrível!


28 de janeiro de 2018

Uma Nova Vida - Capítulo 21

janeiro 28, 2018 0 Comments

- Não faço a mínima ideia. Depois a Clara me ajuda a criar outra conta, ou talvez eu encontre esses dados anotados em algum lugar, ainda não tive tempo de ver isso.
- Tudo bem, eu tenho que ir. Qualquer coisa você ainda deve ter meu número, é só me ligar.


Alguns dias depois, Leandro voltou de viagem e foi fazer uma visita ao amigo:
- E aí, cara, voltei! Tá melhor? Já se lembrou de tudo?
- Oi Leandro, mais ou menos.
- Leandro? Você costumava me chamar de Lê, mas é só um detalhe. E a Malu? Passei no hospital e me disseram que ela teve alta.
- É, pois é, ela esteve aqui há alguns dias...
- Entendi, e você voltou pra ela?
- Não, cara... você vai me matar mas eu... Bem, eu to apaixonado pela Clara e a gente tá namorando.
- Ah, eu não acredito, eu disse que ela não presta.
- É, eu sei que você disse isso, mas eu estava sozinho, confuso, a Malu em coma... Eu não podia deixar minha vida parada. Fui curtir com a Clara e acabei gostando dela de verdade, entende? Ela esteve do meu lado o tempo todo. Só minha mãe veio me ver e me ajudou a lembrar de algumas coisas.
Leandro ficou chateado e contou a sua versão da história:
- Então a Clara conseguiu o que queria. Ela sempre quis roubar você da Malu. A gente estudou junto desde pequeno, e era sempre a mesma coisa. Você e a Malu se conheceram e a Clara ficava indo atrás de vocês, mas você nunca deu bola pra ela; você não ia com a cara dela, na verdade. Um dia a Clara disse baixinho que não ia descansar enquanto não te conquistasse e que ia fazer você ficar caidinho por ela, mas, em vez disso, vocês discutiram.  Ela pensou que ninguém ia ouvir.
- É mesmo, a Malu me contou o que houve no dia do acidente. Mas eu to muito apaixonado pela Clara e agora eu to disposto a começar uma nova vida ao lado dela. O que eu vivi com a Malu, por mais que esteja na lembrança de todos, para mim é como se eu não tivesse vivido, entende? E como eu não me lembro de nada, não tem tanta importância para mim. Eu só não entendo como não olhei pra Clara antes, ela é tão linda e atraente...
- Acontece que você era louco pela Malu e não tinha olhos para mais ninguém.
- Mas como pode eu não me lembrar de nada?
- Pelo que eu andei pesquisando, isso é normal. Então o que você a Malu passaram juntos, você vai deixar apagar junto com a sua memória?
- É melhor, afinal eu tive que recomeçar minha vida depois do acidente. Eu escolhi ficar com a Clara, não posso acabar com tudo, até porque estamos felizes agora. E pra eu voltar pra Malu, terei que me apaixonar por ela de novo.



Mais tarde, Malu ligou para Erick e marcou um encontro na pracinha. Ele não estava muito a fim de ver ninguém, mas resolveu ir para acabar com isso de uma vez.
- Oi Malu, por que me chamou aqui?
- Oi Erick, tudo bem? Eu trouxe as nossas coisas para você ver como a gente era feliz de verdade.
Malu carregava uma sacola de pano com várias lembranças.
- Então, aqui estão as fotos, os desenhos e eu até imprimi as nossas conversas pelo chat...
Erick estava chateado, pois não conseguia se lembrar de nada e, ao mesmo tempo em que queria que tudo aquilo acabasse logo, não queria chatear Malu mais ainda. Malu percebeu que ele mal olhava para as coisas e perguntou:
- O que foi Erick, está tudo bem?
- Ah, não é nada. É melhor eu levar isso tudo pra minha casa. Lá eu vejo com calma. Você sabe que eu e a Clara...
- Tá, já sei que você estão juntos. Isso são apenas lembranças, faz parte da sua vida, você querendo ou não. Olha as coisas primeiro e depois me diz o que achou.
Erick pegou uma das fotos e comentou:
- É, parece que a gente era muito feliz junto. Eu posso te perguntar uma coisa?
- Claro!
- Você ainda me ama?
Assim que ele fez esse pergunta, Clara apareceu na praça, como sempre aparecia quando Erick e Malu estavam jutos. Parecia que ela os seguia por toda a parte.
- Erick, que coincidência! Ah, oi Malu. E por que vocês estão juntos aqui? Estão escondendo alguma coisa? Eu te procurei na sua casa, e deduzi que poderia estar aqui, já que a pracinha é nosso lugar favorito, amor!
Malu irritou-se e se levantou do banco, dizendo:
- Olha aqui, Clara, eu não sei o que vocês viveram juntos, mas tenho certeza de que não foi tão intenso quanto o que eu vivi com o Erick.
Clara riu e respondeu:
- Você não pode comparar isso! Foi tudo completamente diferente! E pra mim foi tão incrível, porque era o que eu mais desejava há muito tempo!
- Eu sei disso! Aliás, você sempre fingiu ser minha amiga, e o que você queria mesmo era o Erick, não é?
- Não, eu era sua amiga, sim!
- Era? E não pode ser mais, por quê? Porque já conseguiu o que queria?
Clara percebeu que havia dito bobagem e tentou consertar:
- Eu não disse que não podemos ser mais, mas agora eu to com o Erick e... com certeza você deve me odiar.
Erick interrompeu a discussão:
- Gente, para de brigar! Se eu sou o motivo de tanta briga, então é melhor eu resolver isso!
- O que você vai fazer, amor? – perguntou Clara.
- Eu preciso ficar sozinho para pensar – respondeu ele e foi embora.
Em casa, Erick espalhou todas as lembranças dele e Malu pelo chão da sala. Depois de ver tudo com calma, ele ficou pensativo por um instante, mas tomara uma decisão:
- Eu acho melhor deixar tudo isso no passado! Isso pra mim não existe, porque eu não consigo me lembrar de nada. Eu amo a Clara e é com ela que eu devo ficar, não importa mais nada. Se tudo o que estão dizendo sobre ela querer ficar comigo há muito tempo é verdade, então é porque ela me ama de verdade e lutou para ter o meu amor. E estamos felizes assim!
Erick juntou tudo na sacola novamente e marcou um encontro com as duas no dia seguinte, no restaurante.
Pela manhã, Leandro apareceu em seu apartamento.
- Oi Lê, que bom que você veio. Preciso mesmo falar com você. As meninas estão brigando por minha causa, mas eu já tomei uma decisão.
- E o que você vai fazer, cara? Não deve estar sendo fácil, eu te entendo.
- Não mesmo, mas hoje eu resolvo tudo, você vai ver.



Na hora do almoço, Erick foi ao restaurante se encontrar com a Clara e Malu. Malu ainda tinha esperança de que Erick voltaria para ela, depois de ver as lembranças. Clara sentiu medo, assim que viu Erick sentando na cadeira, sério, sem olhar para ela. Ele começou:
- Então, meninas, ante de começar, toma Malu. As suas coisas.
Ele lhe entregou a sacola e ela corrigiu:
- São as nossas coisas, Erick.
- Tanto faz, quero que me escutem primeiro, por favor. Bem, eu vi tudo, Malu, eu vi que nós fomos muito felizes juntos, mas depois do acidente eu recomecei a minha vida de outra forma. E o que eu vivi com você faz parte do passado que eu não me lembro de ter vivido, entende?
- Então... você vai continuar com a Clara?
- Vou sim, Malu. Eu me sinto melhor assim, espero que você me entenda.
- Não, eu não entendo. Mesmo vendo tudo o que nós passamos, mesmo sabendo o que a Clara te fez, você ainda prefere ficar com ela?
- Apesar de tudo o que passamos juntos, eu amo a Clara e sei que ela me ama, pois lutou muito para ficar comigo. Desculpa se te magoei.
Malu saiu correndo, largando a sacola na mesa. Clara a chamou para entregar-lhe a sacola, mas ela não voltou. Ela ligou para Leandro, chorando e pediu que ele se encontrasse com ela.
Chegando ao encontro, Leandro havia entendido a decisão de Erick, quando Malu o abraçou, dizendo:
- Eu perdi o Erick para sempre...
Leandro sentiu algo bom, apesar de ver sua melhor amiga aos prantos, sofrendo, pois saberia que poderia finalmente ficar com ela. Malu continuou:
- Ele não quer largar a Clara e voltar pra mim.
Eles permaneceram abraçados e Leandro apertou Malu contra seu corpo.
- Eu sinto muito.
Eles se beijaram. Malu se afastou, sem entender.
- Por que você me beijou? Ficou maluco?
- Não, Malu, eu gosto de você. Eu me apaixonei por você desde a primeira vez em que vi o seu sorriso.
- Como assim?
- Eu nunca disse nada antes porque o Erick é meu melhor amigo, eu não podia fazer isso com ele.
- Quer dizer que esse tempo todo você quis ficar comigo?
- Sim, não fique brava comigo. Eu amo você, Malu. Mas acho que você não gostou muito de saber, né!
Malu não sabia o que dizer, realmente ficara surpresa.
- Não, não é isso, só estou surpresa, porque você nunca demonstrou nada... Ou fui eu quem não percebi nada.
- Eu que não demonstrei nada mesmo, justamente por ser amigo do Erick. Eu não queria ser como a Clara, tentando roubar o namorado da melhor amiga, entende?
- Então esse beijo quer dizer alguma coisa?
- Sim, se você quiser nós dois podemos ficar juntos. Eu juro que nunca vou te magoar. Olha, não me leve a mal, mas eu parei para pensar e percebi que esse acidente aconteceu para que as nossas vidas se encaixassem... eu e você... o Erick e a Clara...
Malu deu um sorrisinho discreto e respondeu:
- Entendi... pode ser mesmo! Bem, eu vou pensar e te dou a resposta depois.
- Tá, vou esperar ansioso.

Malu se despediu e foi para casa pensar o que fazer.


21 de janeiro de 2018

Uma Nova Vida - Capítulo 20

janeiro 21, 2018 0 Comments

- É, tem razão. Eu já te dei algum desenho?
- Não... quer dizer, alguns, mas estão lá em casa bem guardados, eu te mostro depois.

Clara mexeu no armário da sala e disse:
- Olha o que achei, amor.
- O que é isso?
- São fotos de quando você era pequeno.
- Que legal!
- Olha como você era bonitinho!
- Eu era?
Clara riu.
- Eu quis dizer que você é bonitinho desde essa época.
Eles riram muito vendo as fotos. Mais tarde, Clara precisou ir embora. Na hora de se despedir, ela o beijou e disse que o amava.
- Eu também te amo – respondeu ele.
Clara ficara muito feliz com aquilo. As coisas estavam saindo como planejado. Erick estava gostando dela e era tudo o que ela sempre quis. Antes que ela saísse pela porta, Erick a puxou pelo braço e lhe roubou outro beijo. Ela saiu toda sorridente.
No dia seguinte, Erick foi ao hospital ver Malu. A médica o chamou e disse:
- Oi Erick, tudo bem? Veio ver a Malu?
- Sim, ela tá melhor?
- Bem, os exames mostraram que ela possivelmente não terá nenhuma sequela quando acordar. Isso não é ótimo?
- Claro que sim! – ele respondeu muito feliz, e entristeceu-se logo depois – Pena que não sabemos quando isso vai acontecer.
Ele entrou no quarto de Malu.


- Oi Malu, eu ainda me sinto culpado pelo que houve com você, eu só queria que você me perdoasse quando sair daqui. E por mais que você queira atrapalhar o meu namoro com a Clara, eu não sinto raiva de você.


E durante um mês, Erick e Clara se divertiram juntos. Foram ao parque, ao cinema, à lanchonete comer a torta de chocolate que Erick tanto amava; aproveitaram bastante e também namoraram muito. Erick estava tão apaixonado por Clara que não queria pensar em mais nada. Ele apenas desejava que Malu um dia acordasse e o perdoasse pelo acidente.
A mãe de Erick viu que ele já se sentia bem melhor e resolveu voltar para o interior.
- Seu pai precisa de mim lá no interior e você tem a Clara aqui, né, filho!
Eles se despediram com um abraço.
Mais tarde, Erick recebeu uma visita inesperada. Malu aproveitou que uma moradora saía e entrou no prédio. Ela tocou a campainha. Quando Erick olhou no olho mágico, levou um grande susto. Malu o abraçou bem forte.
- Erick! Que saudade!
- Ma-malu? Você acordou?
- Sim, meu amorzinho, se eu estou aqui, né! Não está feliz em me ver? Posso entrar, já entrando?
Malu sentou-se no sofá, sem esperar Erick responder. Erick não sabia o que dizer. É claro que ele estava feliz e precisava do perdão de Malu, mas estava ainda surpreso.
- O que foi, Erick? Até parece que você não está feliz em me ver. Olha, eu acordei, nasci de novo! A médica me disse que você ia sempre no hospital me visitar, mas ela disse que você perdeu a memória... Então você não se lembra de nós dois?
- Malu, eu to muito feliz por você ter acordado, mas eu e a Clara estamos felizes juntos agora.
Malu não gostou do que acabara de ouvir.
- Você e a Clara? Ah, eu devia saber, mas eu sou sua namorada. Você não pode fazer isso comigo! Tudo o que nós vivemos foi em vão?
- Eu esperei você acordar para me contar tudo, mas agora eu to apaixonado pela Clara. Eu não sabia quando você ia acordar e... Eu não podia deixar a minha vida daquele jeito. Ela me convenceu de que eu e ela éramos namorados... E mesmo que não fôssemos, me apaixonei por ela.
- Ela é uma invejosa! Por causa dela você bebeu muito naquela noite. Por favor, Erick, acredita em mim! – implorou Malu, quase chorando.
- Desculpa, Malu, não queria te deixar assim, mas eu não tenho nenhuma prova de que eu e você éramos namorados, já a Clara me provou.
- Ela te enganou esse tempo todo! Não sei como ela fez isso, mas você caiu direitinho! Ela se aproveitou da sua perda de memória... E eu também estava naquela cama sem poder fazer nada! Que raiva!


- Eu sinto muito, de verdade, mas você me perdoa? Sei que o acidente foi culpa minha. A Clara me disse que você me obrigou a dirigir bêbado, mas eu achei essa história muito estranha.
- Nada a ver o que ela disse. Foi você que pegou a chave da minha mão. Mas eu te perdoo por estragar meu carro, porque o seguro vai me dar outro, e olha aqui, você não pode acreditar em nada que a Clara disser sobre o acidente e vocês dois. É tudo mentira! Eu e você éramos melhores amigos desde os doze anos e... namorados desde os quinze. Você sabe o que isso significava para mim? Você foi meu primeiro amor... Você vivia dizendo que nunca ia deixar de me amar, independente do que acontecesse.
- Tá, mas é diferente! Eu não me lembro de nada e isso é como se isso nunca tivesse acontecido para mim, tenta entender meu lado!
- Erick, tudo bem, vou parar de falar sobre isso. E o Leandro, não voltou da viagem?
- Como sabe que ele viajou?
- Ele contou pra todo mundo antes do acidente, estava todo feliz por causa disso.
- Ah, entendi. Ele ainda não voltou, mas não deve demorar muito. Mas peraí, você disse que eu bebi muito na balada por causa da Clara, como assim?


Malu tentou se lembrar do que Erick contara na balada.
- Bem, quando chegamos na balada você nos contou que a Clara tinha vindo aqui naquela tarde e tentou te agarrar, dizendo que te amava, roubou um beijo seu e você a expulsou daqui. Não gosto nem de pensar nisso. Então você me ligou pedindo que eu te buscasse mais cedo e fomos pra balada. Você estava com tanta raiva da Clara que acabou bebendo além da conta para tentar esquecê-la. Eu te chamava pra dançar e você não estava nem aí.
Erick mal piscava, prestando atenção àqueles detalhes. Malu continuou:
- A Clara sempre quis ser sua namorada. E quando soube que você havia me pedido em namoro no meu aniversário de quinze anos, ela ficou com raiva e disse que não ia desistir de você.
- Eu me lembro mais ou menos da Clara saindo chorando daqui... Deve ter sido porque eu a expulsei.
- Pois é, ela disse que sempre te amou, e agora que vocês estão juntos ela deve estar super satisfeita.
- Não me leve a mal, Malu, mas eu ainda não consigo me lembrar de nós dois juntos, sabe... eu e você... Ah, deixa eu te mostrar uma coisa.
Erick mostrou à Malu o desenho da árvore.
- Por acaso você já viu esse desenho?
- Sim, claro, amor, quer dizer... Erick. Eu tenho um igualzinho lá em casa. Foi debaixo dessa árvore que você me pediu em namoro. Era a nossa árvore... Sempre que queríamos um tempo sozinhos, era pra lá que íamos.
- Ah, então a menina que eu vi era você. Tive uma pequena lembrança de uma menina... era você. A Clara me enganou mesmo. Os olhos esverdeados que eu vi eram seus. Ela me disse que eu a havia pedido em namoro na pracinha, levou uma torta de chocolate no hospital e disse que era minha preferida e até fez uma lasanha de berinjela!
- Sim, Erick, ela sabia de todos os seus gostos e sempre nos acompanhava em todos os lugares que a gente ia, só para saber mais sobre você. Às vezes até se escondia para prestar atenção em tudo. E achava que eu não a via.
- Até a nossa música de namoro ela colocou pra eu ouvir. E agora te vendo sorrir, posso ter certeza de que o sorriso que eu via era seu. Mas o problema é que eu me apaixonei pela Clara, mesmo sendo enganado. Ela conseguiu fazer com que eu gostasse dela.
- Sim, e na verdade você só a suportava antes porque era minha amiga. E no dia da balada eu prometi pra mim mesma que não seria mais amiga dela, depois do que ela havia feito.
Malu levantou-se do sofá, entristecida, e continuou:
- Olha, Erick eu só queria que você se lembrasse de tudo. Assim a gente ficava junto de novo. Eu vou te mostrar depois os desenhos que você me deu, as nossas fotos e nossas conversas no chat. Você não se lembra dos seus dados para entrar na sua conta, né?
- Não faço a mínima ideia. Depois a Clara me ajuda a criar outra conta, ou talvez eu encontre esses dados anotados em algum lugar, ainda não tive tempo de ver isso.
- Tudo bem, eu tenho que ir. Qualquer coisa você ainda deve ter meu número, é só me ligar.


14 de janeiro de 2018

Uma Nova Vida - Capítulo 19

janeiro 14, 2018 0 Comments

- É só isso? Eu hein! Mas ele é bem grandinho para se virar. Não se preocupe.
- A senhora tem razão. Eu vou esperar por ele aqui, posso?
- Pode sim, vamos aproveitar para falar sobre vocês e seus amigos.

Clara pensou:
- Ela deve estar me testando... Mas que droga, por que ela foi aparecer justo agora?
Depois olhou para a mãe de Erick e perguntou:
- O que a senhora quer saber?
- Ah, como é a vida de vocês dois, ora. Vocês estão juntos há quanto tempo?
- Então, a gente já namora há um tempão, nossa! Tipo uns três anos, quase noivos já!
- Noivos? Que isso, menina?
- É claro que tem que esperar o Erick melhorar, né!
Erick chegara em casa, dizendo:
- Oi mãe, voltei. Ah, oi Clara!
- Oi, amorzinho! – respondeu Clara, abraçando o “novo namorado” e continuou – Ficou surpreso?
- Não, eu só não esperava te ver aqui tão cedo.
- Senti saudade, e sua mãe e eu nos damos super bem. Ela é um amor!
- Ah, que bom!
- Soube que foi ver a Malu, ela melhorou?
- Tá na mesma, nem se mexe. Eu só não entendo porque ela estava no carro comigo, na hora do acidente.
- Ah, amor, ela só queria atrapalhar nós dois. O carro era dela e ela te forçou a entrar nele e dirigir. A Malu é completamente louca. Eu tive que ir embora mais cedo da balada e não pude ficar com você, e ela, mesmo sabendo que você estava bêbado, pediu que dirigisse.
- Entendi... E o Leandro, por que será que não fez nada para impedir, já que eu estava bêbado?
A mãe de Erick interrompeu:
- Filho, até eu que não convivo muito tempo com você sei como é. Quando você coloca uma ideia na cabeça ninguém tira.
- Mas não foi a Malu que me obrigou a dirigir?
- Ah, amor, eu não sei direito o que houve, não estava lá. Mas vamos esquecer isso tudo, é passado e é coisa ruim. Já disse que você tem que pensar coisas boas.
Erick não se sentia muito bem, sentia ainda um pouco de culpa pela Malu.
- A Malu tá em coma, isso é muito sério. E se ela não acordar mais, ou demorar muito tempo? Eu me sinto mal por isso.
Clara tentou acalmá-lo:
- Não fica assim, amor. A Malu quis entrar no carro, não é culpa sua, ela sabia que você estava bêbado.
- E como você sabe de toda essa história se não estava lá.
- Eu encontrei o Leandro no hospital e ele me contou.
- Pois é, filho, todos foram irresponsáveis de beber a esse ponto.
A mãe de Erick disse que estava cansada e foi para o quarto deitar um pouco. Ela lhe deu um beijo na testa, dizendo:
- Fica bem, filhinho.
Erick aproveitou a visita de Clara e a convidou para dar uma volta. Clara foi esperta e o levou até a pracinha. Durante o passeio, Erick admirava a natureza daquele lugar. Clara disse:
- Você adorava vir aqui na praça. Foi aqui que você se declarou para mim. Era tão apaixonado! Espero que um dia você se lembre desses momentos. Se não lembrar, não tem problema. Eu sempre vou te amar, e podemos começar tudo de novo.
Eles se beijaram. Depois ela perguntou:
- Meu beijo te fez lembrar algo?
- Talvez, é um beijo tão doce... E essa praça...
- Que foi?
- Não sei, me veio a imagem da Malu na cabeça, não consigo parar de pensar nela lá no hospital, daquele jeito.
- Esquece ela, amor! Você tá preocupado demais, isso vai te fazer mal.
- Tudo bem, amor, me desculpe.
- Você me chamou de amor?
Clara mais uma vez beijou Erick. Ela era louca por ele e não podia perder uma única oportunidade de beijá-lo.



Mais tarde, Erick voltou para sua casa. Sua mãe estava no sofá.
- Oi mãe, voltei. Que bom que está acordada, preciso falar com você.
- Ah, senta aí, meu filho. Pode falar, estou aqui para te ajudar no que precisar.
- Então, eu me diverti muito com a Clara hoje. Acho que ela tá certa, parece que nos conhecemos há anos! E eu sempre me sinto muito bem ao lado dela, bem à vontade!
- Hum, mas você conseguiu se lembrar de mais alguma coisa?
- Eu me lembrei da Clara olhando pra Malu com uma cara feia. Uma imagem meio desfocada das duas, por isso eu não consigo entender direito. Será que a Malu pode me ouvir, mesmo em coma?
- Eu acredito que sim, filho. Só não sei se quando ela acordar vai se lembrar do que você disse enquanto ela estava em coma.
- Acho que vou visitá-la amanhã de novo.
A mãe de Erick lembrou-se dos desenhos dele:
- Filho, por que você não vê os seus desenhos? Eu também tenho um guardado comigo há anos. Eu sempre mostro orgulhosa pra todo mundo no interior e digo que meu filho é um ótimo desenhista. Olha!
Era o desenho da árvore. A árvore de Erick e Malu.
- Essa árvore, mãe! É tão linda! Eu me lembro dela. Onde ela está?
- Ela ficava no lote ao lado do nosso casarão. A árvore já faz um tempinho, infelizmente; eu lembro muito bem de quando você me ligou chorando por causa disso. Eles construíram um prédio. Você pode ficar com o desenho, se quiser. Pode te ajudar a lembrar de mais alguma coisa.
- Sim, eu vou ficar com ele. Essa árvore me inspirava a desenhar... E me veio uma imagem de uma menina linda...
- Hum... bem, que eu me lembre, na época em que eu morava com você não tinha nenhuma menina. Mas as coisas mudaram desde que fui embora. Talvez essa árvore marcou alguma data importante para você e alguma menina.
- É mãe, pode ser.
- Como é essa menina?
- Eu só via os olhos esverdeados e um sorriso, um sorriso brilhante... Pode ser a Clara. Eu devo ter feito um desenho dessa árvore pra ela também, o que acha?
- Depois pergunta pra ela, filho. Ela deve ter algum desenho seu, você sempre gostou de presentear as pessoas com seus desenhos. Quanto mais imagens melhor, filho.
Erick se levantou do sofá e dirigiu-se até o armário da sala, onde guardava suas coisas. Ele pegou uma pasta e dentro dela havia vários desenhos.
- Olha, eu desenhei uma moça.
- Sim, e como é essa tal Malu, filho? Parece com esse desenho?
- Não sei, não deu pra ver direito, porque está cheia de aparelhos no rosto, mas ela é morena, de cabelos lisos e castanhos. Não sei como são seus olhos... Esse desenho pode ser sim, uma das duas. Só o Leandro vai poder me ajudar.


Mais tarde, Clara voltou ao apartamento de Erick, levando seu celular. Erick achou estranho ela ter entrado sem tocar o interfone.
- Você tem as chaves?
- Sim, amor, dias antes do acidente você disse que ia me pedir em casamento e me deu até as suas chaves... Mas, olha só amor, eu trouxe a nossa música. Agora tenho certeza de que você vai se lembrar de como éramos felizes.



Clara colocou a música “Be With You”, que era dele e da Malu, para tocar em seu celular.
- E então, lembrou de alguma coisa?
- Talvez, você vai ter que ter muita paciência, eu to muito confuso. Mas essa, com certeza, é a música mais linda que já ouvi.
- É nosso tema de namoro! E do que mais você se lembrou?
- De um lugar... parece um restaurante e... os olhos esverdeados de uma mulher.
- Sou eu, amor! Você se lembrou de um dos nossos encontros. Estou tão feliz, já é um avanço!
- E agora eu sei que tipo de música eu gosto. Qualquer dia desses a gente podia voltar lá na tal balada, quem sabe eu não me lembro de mais alguma coisa?
Clara pensou:
- Não, é melhor não, ele pode se lembrar que ficou a noite toda com a Malu e o Leandro e nem me viu por lá. Ele não dançou muito, mas esteve apenas com os dois, e não comigo.
Depois respondeu:
- Sim, amor, qualquer dia desses a gente vai.
Erick pegou seu desenho da árvore e mostrou à Clara.
- Eu queria te mostrar uma coisa. Você se lembra desse desenho? Eu, por acaso, já te mostrei?
Clara lembrou-se da árvore que ela odiava chegar perto, simplesmente porque era dele e da Malu. E fingiu que não sabia de nada.
- Ah... Esse desenho... Não sei, onde é isso? Eu nunca vi.
- Essa árvore ficava no lote ao lado da casa onde nasci.
- E o que ela tem de mais?
- Nada, mas quando minha mãe me mostrou esse desenho eu me lembrei de uma menina, devia ser você.
- Sim, amor, pode ser. Nós já passamos tantos momentos bons juntos que eu nem lembro de tudo. São três anos de muito amor e aventuras. E é claro que algumas coisas foram mais importantes para você do que para mim e vice-versa.
- É, tem razão. Eu já te dei algum desenho?
- Não... quer dizer, alguns, mas estão lá em casa bem guardados, eu te mostro depois.


Se você ainda não ouviu a música "Be With You", assista ao clipe:



Newsletter